10 de mar de 2010

a foz

CIA P'ATUÁ traz "São Francisco de Assis à Foz" em duas apresentações no Teatro Marília.
Prêmio de MELHOR ESPETÁCULO, MELHOR DIREÇÃO E MELHOR ATOR, o espetáculo fará duas únicas apresentações, no Teatro Marília, neste sábado, dia 13/03 e na segunda, dia 15/03.


SÃO FRANCISCO DE ASSIS À FOZ


SINOPSE


A tocante história do amor contagiante de um homem que busca a Deus ao lado da história da força de um rio que busca o mar. Uma fusão poética do santo e do rio.
Melhor Espetáculo de 2009(Sesc-Sated/MG) fala de Francisco de Assis, que abre mão de riquezas para servir aos pobres. Ao mesmo tempo, fala do rio São Francisco que nasce em Minas e atravessa o sofrido sertão nordestino para chegar à foz.
Espetáculo de intensa emoção e beleza, ganhador também dos prêmios de Melhor Diretor e Melhor Ator.
“Eu sou molécula de água, Deus é mar


SERVIÇO;
SÃO FRANCISCO DE ASSIS À FOZ
TEATRO MARÍLIA - INF: 3277-4707
SÁBADO - 13/03 - 18HS
SEGUNDA - 15/03 - 19HS
INGRESSOS: R$ 4,00 INTEIRA E R$ 2,00 MEIA 
OBS.: ENTRADA GRATUITA AOS DEZ (10) PRIMEIROS DA FILA, DE CADA DIA.
A Cia P'atuá apresenta São Francisco de Assis à Foz, espetáculo dirigido por Glicério Rosário e Geraldo Octaviano. A montagem tem como fonte inspiradora o romance O pobre de Deus, de Nikos Kazantzakis, e se valeu de materiais diversos sobre a vida do santo e de estudos e debates sobre a sobrevivência do Rio São Francisco. Evitando o lugar comum de reconstituir lendas da vida do santo ou de lançar um discurso sobre preservação ecológica, a encenação funde os dois São Franciscos, "homem" e "rio", para falar de Amor. A montagem propõe uma reflexão para este tempo de conflitos políticos, geográficos, religiosos, culturais; para este tempo em que os desenvolvimentos materiais aumentam a distância entre as pessoas. O Amor torna-se símbolo de elevação e de integração.

São Francisco de Assis à Foz é um desafio a uma interpretação intensa. Junto à necessidade de um trabalho consistente de teatro físico, a montagem demanda um, igualmente intenso, trabalho de expressão vocal. Entre momentos narrativos e musicais, o texto explora a poeticidade do som das palavras, dando qualidade melódica à dramaturgia. Em cena, Glicério Rosário, ator, diretor e dramaturgo que integrou importantes grupos de teatro de Belo Horizonte. O ator segue sua linha de investigação cênica: pesquisa das potencialidades expressivas do ator, investindo nas soluções a partir das possibilidades vocais, corporais e criativas do intérprete, trabalhando com cenário/figurino despojados e de variadas simbologias.

Uma equipe competente confere qualidade artística ao tema. Os elementos cenográficos trazem concretude e metáfora, criando uma ambientação propícia a uma encenação forte: pedras, água e areia carregam funções conceituais e narrativas. A iluminação reforça a poética da encenação, ambientando um sertão ou extraindo das pedras, em sombras e penumbras, figuras que lembram expressões humanas. A trilha aposta nos ruídos de elementos naturais, silêncios e timbres que se harmonizam com a aridez cenográfica. Na história do homem que encontra vários percalços em direção a Deus, os mesmos elementos sugerem sentidos ampliados no percurso do rio que encontra obstáculos para chegar ao mar.

São Francisco de Assis à Foz é uma interpretação poética e visceral da vida do homem de Assis, ambientado e transfigurado no rio que integra o sudeste e o nordeste brasileiro. Conceitualmente e esteticamente, a montagem une o sertão e a cidade italiana de forma anacrônica, dando atemporalidade e universalidade ao Amor.



Um comentário:

ana f. disse...

foda!!!!!!!!